Os catadores de resíduos sólidos, do lixão de Pedro Velho, foram convidados pela equipe da Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Assistência Social e pelo CRAS, para dar início ao modelo que foi visto, em uma visita à UFRN, pela atual gestão. O propósito é que se crie uma cooperativa, envolvendo os catadores e oportunizando-os a ter uma melhor qualidade de vida e minimizando os riscos com a saúde deles. A criação de uma cooperativa está dentro do TAC (Termo de Ajuste de Conduta), onde a Prefeita se comprometeu em fazer os ajustes necessários no lixão.
A ação das Secretarias do Meio Ambiente, Assistência social e do CRAS, inicialmente, foi realizando uma visita ao lixão para verificar as condições de “trabalho”, logo em seguida, convidados para a reunião, que foi realizado na última sexta, no CRAS.
Antes esquecidos, os catadores falam em esperança, através da atual gestão. Essa é a primeira vez que a Prefeitura se mostra realmente preocupado com os catadores, procurando a melhoria acompanhando, de fato, e dando a assistência necessária para a melhoria da vida deles. “As gestões passadas apareciam no lixão, mas “preocupados” com o lixo e não com quem está catando. ” Disse um deles.
Para os catadores, a prefeitura vai oferecer equipamentos como luvas, botas e máscaras, além da criação de cartão do sus e cartão de vacina.
Para os filhos dos catadores, o CRAS ofereceu acolhimento, nas segundas e quartas, para atividades, e sempre no contratempo escolar.
O Severino, um dos catadores, vê também no lixo uma oportunidade para ampliar um pouco mais as finanças criando carro, ônibus e até a Igreja Matriz de São Francisco de Assis com resíduos sólidos para vender na feira livre de Pedro Velho.
As reuniões com os catadores serão realizadas todas as sextas-feiras no CRAS.